Mostrando postagens com marcador Biblioteca. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Biblioteca. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de outubro de 2021

O que podemos aprender com as abelhas

O que podemos aprender com as abelhas

Veja neste vídeo como a vida animal pode nos ajudar a aprender viver.


Nas comunidades de abelhas e formigas, todos se esforçam em conjunto para o benefício de todos. Por observar as abelhas podemos aprender muitas lições. Deus criou estes belos animais e dotou-os de sabedoria. Podemos aprender muito com eles. Especialmente a colaboração de cada membro da colmeia para a vida em sociedade pode nos ajudar na construção e manutenção da família ou das comunidades em que estamos inseridos. Cada um tem sua responsabilidade em contribuir para o crescimento e proteção dos demais. As abelhas ensinam o valor do compartilhamento de responsabilidades e o foco do enxame é sempre o bem comum. Quando realizam suas tarefas as abelhas sempre colocam os  interesses do grupo bem acima de seus próprios interesse individuais.

O vento do Norte fez os Vikings

O que fazer diante dos problemas e adversidades?

Veja neste vídeo porquê você não pode fugir quando as coisas se complicam.

Muitas vezes reclamamos da nossa situação, das dificuldades e dos problemas. Gostaríamos de ter uma vida mais simples e estar melhor acomodados. Quem não gostaria de estar tranquilo sem ter com que se preocupar.?Entretanto muitas vezes aquilo que julgamos como algo ruim é justamente o que nos molda o caráter e que nos dá força para superar dificuldades e romper limites. Existe um antigo ditado que diz que "o vento do Norte fez os Vikings"

Com sua força e coragem para lutar e romper barreiras eles enfrentavam no dia a dia grandes dificuldades, não estavam acostumados com facilidade. As terras do norte eram menos férteis, o frio intenso do inverno, enfim, estavam acostumados com dificuldades. O Império Romano entretanto, após um período de grande expansão ficou muito acomodado por causa de todas suas conquistas. Acabou sendo invadido pelos vikings que estavam acostumados com a vida dura do Norte.

Um povo com grandes limitações materiais e que era considerado bárbaro pelo Império Romano conseguiu dobrar o maior império de joelho. As dificuldades nos dão força e nos treinam para resistir e lutar. Por isso não deveríamos reclamar das dificuldades do dia dia e sim abraça-las com confiança, fé e coragem. Ir em frente apesar do desconhecido, enfrentar as dificuldades com coragem e romper limites que nos impedem de crescer, isso é o que o vento do Norte fez com os vikings e pode fazer por você.


Somente por hoje

O que você faria se este fosse o seu último dia ?



Este vídeo vai falar sobre: aproveitar o dia de hoje, hoje, felicidade

Se você anda preocupado com o futuro assista esse vídeo. Muitas coisas estão além do nosso poder de solução. Sua vida pode ser bem melhor do que você imagina mas é preciso focar no que mais importa. É sobre isso que esse vídeo trata, sobre como ter uma vida melhor agora usando os recursos mentais que você dispõe. Hoje é seu maior bem, aliás é o único bem que de fato possui. Quer confirmar ? Assista o vídeo.

Sun Tzu - Lidando com desafios no trabalho

Veja neste vídeo como o milenar livro A Arte da Guerra pode te ajudar a lidar com situações desafiadoras no seu local de trabalho.



Neste vídeo, um breve comentário sobre a parte em que Sun Tzu fala da importância de Examinar o Terreno.

Quem foi Sun Tzu? Sun Tzu (544-496 a.C.) foi um general, estrategista de guerra e filósofo chinês, a quem é atribuída a obra “A Arte da Guerra”, um tratado filosófico-militar no qual reuniu estratégias e táticas militares para vencer o inimigo.

Por que Sun Tzu considerava a estratégia uma arte a ser dominada? Sun Tzu disse: a guerra é de vital importância para o Estado; é o domínio da vida ou da morte, o caminho para a sobrevivência ou a perda do Império: é preciso manejá-la bem.

Sun Tzu foi um estrategista militar. A paz é de vital importância nas relações humanas. Entender, no entanto, como se dá o pensamento no nível estratégico é importante porque todos os dias vivemos uma luta diária dado que o sistema econômico em que vivemos é competitivo. Estudar Sun Tzu pode ser de ajuda se você for um administrador, gerente ou outra pessoa que tome decisões estratégicas. Se você não precisa tomar decisões estratégicas no seu dia a dia, não há porque perder tempo com a leitura, até porque não se trata de uma leitura agradável para a maioria.

Caso você precise de um resumo sobre os ensinamentos de Sun Tzu o melhor pode ser encontrado no seguinte site: https://laparola.com.br/65-ensinamentos-de-sun-tzu-no-livro-a-arte-da-guerra

Como fazer uma resolução de fim de ano ?

Todo final do ano é a mesma, começamos animado, prometemos que vamos fazer um monte de mudanças e vira o ano e logo desistimos de todas promessas. E você ? Consegue cumprir com suas resoluções ? Veja algumas dicas no vídeo e no final deixe seu comentário.


Qual é o significado de resolução ?
1. Ato ou efeito de resolver. 2. Decisão; tenção; deliberação; propósito.

Uma resolução é uma espécie de promessa que fazemos a nós mesmos para melhorar em alguma coisa. Geralmente as pessoas fazem resoluções no final do ano para aproveitar o novo ano que se inicia e trabalhar em cima de algumas melhorias no próximo ano. No entanto, muitas das resoluções não passam apenas de meras promessas vazias já que muitos as abandonam já nos primeiros meses. Mas tem aqueles que se apegam firmemente ao que resolveram e obviamente se diferenciam dos demais porque conseguem chegar no final do outro ano com a sensação de ter feito alguma coisa real. O que pode ser feito para facilitar o cumprimento das suas resoluções ?

Em primeiro lugar é importante facilitar o cumprimento das suas resoluções por não se sabotar. Nada de fazer promessas impossíveis ou mesmo estabelecer metas que não são importantes e que serão esquecidas. Faça uma resolução em cima de coisas em que realmente acredita e que vale a pena lutar. Não faça promessas demais, muitas coisas de uma vez só, lembre-se do ditado "devagar se vai ao longe". Tem pessoas que querem mudar tudo de uma vez e acabam não fazendo nada, se perdem no meio de tanta coisa em que trabalhar. Por isso trace metas específicas, algumas poucas mas que sejam realmente importantes para cada ano. 

Em segundo lugar é importante que suas resoluções possam ser gerenciáveis. Para gerenciar alguma coisa precisamos ter uma forma de medir os resultados, então, trabalhe para que suas metas possuam números que possam ser facilmente verificados. Por exemplo, uma resolução comum é perder peso no próximo ano. É uma resolução que pode ser facilmente medida usando-se a balança e pode se transformar numa meta específica se definirmos um objetivo específico, por exemplo: perder 5 quilos. Quando você coloca um número específico você sabe exatamente onde quer chegar. Uma pessoa que pesa 100 quilos e perdeu 1 quilo já conseguiu perder peso. Se ela perder 2 quilos também conseguiu. Se a única decisão é perder peso, qualquer perda já terá atingido o seu objetivo. Agora quando você coloca um objetivo específico a meta só é batida quando chegar naquele número. Metas que possuem um valor específico fazem muito mais sentido e são gerenciáveis.

E por fim, tente transformar a sua maneira de viver, não apenas atingir um simples objetivo, mas transformar suas resoluções em uma nova forma de vida. No final das contas, o objetivo talvez não seja apenas perder peso, por exemplo, mas ter uma saúde melhor. Trabalhar em cima de objetivos que sejam mais condizentes com a melhoria do todo faz mais sentido porque te ajudará a criar hábitos que manterão sua resolução. Então o objetivo final deveria ser buscar a melhoria do processo. Quer outro exemplo? Imagina estabelecer o objetivo de visitar sua mãe uma vez por mês. Você pode até atingir esse objetivo passando na casa dela uma vez por mês. Mas você a tratou com carinho ? Você lhe deu atenção ? O objetivo não deveria ser apenas cumprir uma tabela e sim se aproximar da sua mãe. Então pense sempre nos objetivos maiores, as resoluções servem para te ajudar a fazer as mudanças necessárias para que sua vida seja transformada por inteiro, de dentro para fora, e não apenas de uma forma aparente. Quando você muda seus princípios e ideais você muda o direcionamento da força que motiva sua maneira de agir e daí as resoluções te dão o caminho que deve seguir para continuar vivendo de acordo com seus princípios e o monitoramento das suas metas te ajuda a verificar se você está no caminho correto e se não precisa fazer ajustes.

Que tal fazer suas resoluções já para o próximo ano ou para este se ainda não fez ? Qualquer dificuldade deixe sua questão na seção comentários.

Quem realmente é bom ?

Os bons são bons e não tem a pretensão de agarrar o poder com isso.

Todos os dias nos deparamos com problemas. Alguns são fáceis de resolver, outros extremamente difíceis, complicados e às vezes tão complexos que podemos encara-los como verdadeiros desafios. Como lidar com a complexidade da vida moderna? Complexidade? Sim, a vida moderna é complexa, cheia de contradições que coexistem lado a lado. Parece irônico o fato de que se por um lado a tecnologia trouxe mais conforto e qualidade de vida (como é o caso da televisão, do celular, do avião e tantas outras inovações), por outro, a constante busca por bens materiais e o envolvimento cada vez maior com coisas ao invés de com pessoas acabou aumentando a distância entre os seres humanos e corroendo parte dos valores sociais.

Assim, hoje muitos valores sociais foram invertidos e são transformados diariamente. Nem sempre o que tem valor hoje é o que terá valor amanhã porque a sociedade muda muito rápido, o desapego a tradições e costumes faz com que a sociedade se transforme muito rapidamente e com isso seus valores também acabam se transformando.

Por isso surge a questão: quem é realmente bom ? Note que o conceito de bondade não pode ser relativo a menos que a própria bondade esteja sujeita a revisão. Mas será que é o caso ? Será que não existem princípios que são universais e ao mesmo tempo estáveis ? É sobre estes princípios que devemos construir o alicerce das nossas vidas. Somente por fundar nosso caráter e educação em cima de princípios sólidos, tão sólidos como uma rocha, é que poderemos construir uma vida justa e boa, que reflita bondade para nós e para outras pessoas.

E você? O que acha da bondade? Acredita que ela existe? que ela é estável? que possui lugar no mundo moderno ? Será que o bom precisa "aparecer", chamar atenção para si mesmo ? Se sim, será que o chamado bom é realmente bom ou suas motivações são outras e a aparente bondade é só um meio para um fim ? Deixe seu comentário.

Magna Carta de 1215 do Rei João.

Descubra a razão por que a Carta Magna foi tão importante para os direitos humanos, quando os cidadãos forçaram o Rei de Inglaterra a assinar o documento e como está relacionada com o desenvolvimento do direito constitucional.


Quem escreveu a Magna Carta? Os barões redigiram a Magna Carta para limitar o poder do rei, e João não teve força suficiente para se opor a eles.

Para que servia a Magna Carta? A carta magna garantia aos nobres um comando mais justo por parte da realeza.

Onde foi escrita a Magna Carta? Ela foi criada na Inglaterra, em 1215.

Por que a Magna Carta é importante? O documento garantia certas liberdades políticas inglesas e continha disposições que tornavam a Igreja livre da ingerência da monarquia, reformavam o direito e a justiça e regulavam o comportamento dos funcionários reais.

Qual o objetivo da Magna Carta? A carta magna garantia aos nobres um comando mais justo por parte da realeza.

Amplamente vista como um dos documentos legais mais importantes no desenvolvimento da democracia moderna, a Magna Carta foi um ponto decisivo crucial na luta pelo estabelecimento da liberdade. Ela foi precursora das modernas constituições ao garantir certas liberdades individuais, impondo limites ao poder absoluto do rei. Outros documentos mais tarde vieram trazer inovações que foram sendo incorporadas nas constituições modernas, como a garantia dos direitos humanos, liberdades individuais, direito de propriedade e certas obrigações sociais por parte do Estado.

Carpe diem

 Carpe diem

O excesso de preocupação ou ansiedade é destrutivo e geralmente faz a pessoa andar em círculos, trata-se de um processo improdutivo que ocupa e exaure os recursos mentais sem chegar a qualquer solução para o problema.

Veja no vídeo algumas dicas para aproveitar melhor o seu momento presente.


O que é carpe diem?  Expressão usada para incitar ou convidar a gozar o presente, o dia de hoje. Fonte: Horácio, Odes, I, 11, 8.

Como colocar o carpe diem em prática? Quem leva o Carpe Diem a sério sabe o quanto é importante  aproveitar ao máximo cada momento do dia e também apreciar o presente.

Por que é importante aproveitar o dia ? “Carpe diem”  esconde uma mensagem profunda e poderosa: aproveitemos o presente ao máximo e tudo que pudermos no hoje, porque em breve ele termina, e a vida passa rapidamente.

O carpe diem é compatível com a vida cristã ? Muitos filósofos e poetas que aderiram à filosofia do carpe diem acreditavam que esta vida é tudo o que há e portanto, deve ser usufruída ao máximo. Viviam o momento presente sem pensar no futuro. Isso trouxe algumas consequências nada boas. Por exemplo, muitos se entregaram a uma vida devassa e à libertinagem com a idéia de que 'devemos comer e beber porque amanhã morreremos' (Veja o que diz 1 Coríntios 15:32). Esta filosofia, no sentido de que temos que aproveitar ao máximo os prazeres da vida, é incompatível com a vida cristã porque o verdadeiro cristão sabe que tem que levar sua vida de um modo que agrade a Deus e isto muitas vezes envolve sacrifícios e não prazer, ainda mais prazer a qualquer preço. Agora o conceito de aproveitar o dia e não deixar para amanhã o que pode ser feito hoje pode ser compatível com as escrituras. Veja por exemplo o que diz este texto:

"Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, 

porque na sepultura, para onde tu vais, 

não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma."

Eclesiastes 9:10 (Versão Almeida)


Então devemos sim aproveitar o dia, aproveitar o momento presente para fazer coisas boas, obras que demonstrem verdadeira sabedoria porque a vida é curta. Não podemos confundir estas boas obras com o pensamento epicurista ou simplesmente byroniano de quem pensa apenas em usufruir dos prazeres mundanos ao máximo, pois isto não combina com a sabedoria encontrada na Bíblia.

Porque você deve aproveitar o dia, carpe diem: Basicamente uma hora perdida nunca mais poderá ser recuperada, então, como disse o sábio em Eclesiastes, faça o que tem de ser feito porque o tempo é unidirecional, só avança para frente. Se você procrastinou hoje, ou dormiu demais, ou deixou de fazer o que tinha de ser feito, jamais poderá recuperar esse tempo. Isso serve para a escola, para a juventude, para nossa energia vital quando somos jovens, o tempo vai fluindo e passando e o ciclo da vida continua, sempre em uma única direção e cedo ou tarde esse tempo acaba para todos. Para não chegar no final cheio de arrependimentos de coisas boas que poderia ter feito ou com o senso de ter desperdiçado oportunidades, aproveite o hoje, afinal de contas, o presente é o único momento que de fato temos.

E você? O que faz para aproveitar o tempo ? Deixe sua opinião na seção comentários.


Origens do Constitucionalismo

Veja a seguir um breve resumo sobre as origens do Constitucionalismo moderno.

Constitucionalismo é uma matéria muito cobrada em cursos de direito constitucional e muitas vezes cobrada também em concursos públicos.

Este vídeo trata de: Estudo do Constitucionalismo, Direito Constitucional.

Para entender mais sobre Constitucionalismo você precisa saber:

O que é Direito Constitucional? Direito constitucional é o ramo do direito público dedicado a estudar as normas constitucionais, interpretando as normas de organização dos poderes e dos direitos  fundamentais. Resulta da formulação das Constituições dos Estados-nações.

Como se conceitua o direito constitucional? O direito constitucional é uma área do direito que tem como objeto as normas que definem e constituem um Estado. No Brasil, essas normas estão presentes na Constituição Federal Brasileira de 1988.

O que se estuda em Direito Constitucional? O Direito Constitucional é um ramo do Direito Público responsável por analisar, interpretar e garantir o cumprimento da Constituição de um país, ou seja, as normas que regulam e delimitam o poder do Estado e garantem o cumprimento dos direitos considerados fundamentais.

Quais são as fontes do direito constitucional? As fontes do direito constitucional são: o Direito Natural, a Constituição, os costumes, a jurisprudência e a doutrina.

Quais são as fontes imediatas do direito constitucional? As fontes imediatas são a Constituição e, para alguns autores, também costumes. As fontes mediatas são a jurisprudência e a doutrina. A principal fonte do Direito Constitucional é, sem qualquer dúvida, a Constituição, que é a “lei fundamental e suprema” de um Estado.


Como acabar com pernilongos e mosquitos

Como acabar com pernilongos e mosquitos

Veja algumas dicas simples de serem colocadas em prática para ajudar a reduzir o número de pernilongos ou até mesmo espantá-los de vez da sua residência. Sistema comprovado, ajudou-me a reduzir em mais de 99% a quantidade de mosquitos e pernilongos em minha residência.

Com a chegada do verão chegam também os insetos que nos tiram a paz. Se você pesquisar na internet vai encontrar milhares de textos e dicas que falam sobre como acabar com os pernilongos. Testamos várias das dicas encontradas e quer saber a verdade ? A maioria não funciona ou não traz resultados desejáveis. Por isso, vamos listar aqui apenas as dicas que realmente trouxeram algum benefício real depois das dezenas de testes que fizemos. Segue o fio:

  1. Coloque tela nas janelas e portas. Essa é a campeã, realmente resolve porque impede a entrada de pernilongos e moscas sem impedir a circulação do ar. O nível de conforto ocasionado com a colocação de telas chega a mais de 99% de resultados. E os outros cerca de 1% ? Bem, infelizmente muitos pernilongos ficam bem pertinho da porta só esperando você abrir para voar direto pra dentro de casa e uma vez dentro de casa eles ficam lá escondidos em algum lugar até você apagar as luzes  e resolver ir dormir. Basta um pernilongo para transformar a noite de qualquer um em algo terrível. Portanto, embora não seja um sistema perfeito este é o que mais traz benefícios na minha opinião.
  2. Raquete elétrica. Essa opção é para eliminar o 1% da anterior. Uma vez tendo entrado em casa só eliminando para dar fim ao problema. A raquete é um meio bem ecológico de dar fim aos pernilongos dentro de casa. Tem pessoas que usam veneno mas veja, o veneno que você joga no ar não mata apenas o pernilongo, você também vai respirá-lo. Então, cai fora dessas coisas que usam veneno que são aplicadas em forma de spray ou que se coloca na tomada, isso se você não quiser respirar ar tóxico.
  3. Ar condicionado. Na minha opinião esse é um excelente sistema também. Porque durante a noite, quando os pernilongos estão mais ativos, o frio deixa eles mais devagar e não raro eles podem até mesmo morrer desidratados por causa do ar-condicionado. Se o ar estiver bem friozinho você pode também se cobrir o que te ajuda a se proteger de algum pernilongo que porventura esteja mais preparado para enfrentar o friozinho do ar.
  4. Repelentes caseiros ajudam a espantar o pernilongo apenas de um lado para outro, então não conseguimos muita efetividade usando repelentes caseiros. Eles saem do quarto e vão pra sala e depois da sala para qualquer outro lugar e sua casa fica com um cheiro que pode ser agradável ou não dependendo do repelente e do seu gosto pra cheiro. Mas eu particularmente gostei do resultado em usar repelentes caseiros do lado de fora da casa, isso ajudou a diminuir a quantidade de pernilongos que ficam à espreita esperando você abrir a porta para entrar. (Para conhecer algumas plantas que servem como repelente caseiro veja o vídeo Como acabar com mosquitos e pernilongos.)
Basicamente estes são os 4 métodos que uso na minha casa e que realmente funcionam, os demais não trouxeram resultados que valham a pena o esforço e olha que já tentei praticamente de tudo. Então, se não quiser ficar frustrado reinventando a roda use os métodos acima que provavelmente te darão os melhores resultados, sem agredir o meio ambiente com produtos tóxicos.

Apenas uma ressalva: com os aumentos constantes da energia elétrica pode ser que nem todos possam usar o ar-condicionado e um substituto que não é perfeito é o ventilador, que apenas dificulta o voo do pernilongo, atrapalhando ele de pousar em seu corpo, então pode ser de ajuda. Mas a vantagem do ar-condicionado sobre o ventilador são as que já foram explicada no texto. Se for comprar um ar-condicionado prefira um inverter que apesar de ser mais caro traz uma grande economia na conta.

Qual a origem do Direito Constitucional ?

Qual a origem do Direito Constitucional ?

Veja neste vídeo um breve resumo sobre a origem e história do direito constitucional.

O que é Direito Constitucional? Direito constitucional é o ramo do direito público dedicado a estudar as normas constitucionais, interpretando as normas de organização dos poderes e dos direitos  fundamentais. Resulta da formulação das Constituições dos Estados-nações.

Como se conceitua o direito constitucional? O direito constitucional é uma área do direito que tem como objeto as normas que definem e constituem um Estado. No Brasil, essas normas estão presentes na Constituição Federal Brasileira de 1988.

O que se estuda em Direito Constitucional? O Direito Constitucional é um ramo do Direito Público responsável por analisar, interpretar e garantir o cumprimento da Constituição de um país, ou seja, as normas que regulam e delimitam o poder do Estado e garantem o cumprimento dos direitos considerados fundamentais.

Quais são as fontes do direito constitucional? As fontes do direito constitucional são: o Direito Natural, a Constituição, os costumes, a jurisprudência e a doutrina.

Quais são as fontes imediatas do direito constitucional? As fontes imediatas são a Constituição e, para alguns autores, também costumes. As fontes mediatas são a jurisprudência e a doutrina. A principal fonte do Direito Constitucional é, sem qualquer dúvida, a Constituição, que é a “lei fundamental e suprema” de um Estado.


Carpe diem

 Carpe diem

Veja o que significa Carpe Diem e como este conceito pode afetar sua vida.

Carpe diem é parte da frase latina carpe diem quam minimum credula postero, extraída de uma das Odes, de Horácio, e tem numerosas traduções possíveis: "colhe o dia", "desfruta o presente", "vive este dia", "aproveita o dia" ou "aproveita o momento". 

Atribui-se a Horácio, o poeta, a frase inserida no final de um poema: carpe diem, que em latim queria dizer “aproveite a colheita”, mas pode ser traduzido também como “aproveite o dia”, ou “aproveite o momento”.

Esse pensamento de Horácio está alinhado ao epicurismo (um sistema filosófico que acredita em pensar na vida e levar esses pensamentos com “prazeres tranquilos”).

Para Epicuro (341 – 270 a.C), o ser humano não deve temer a morte, pois somente assim, pode-se aproveitar totalmente a vida.

O conceito aparece bastante no filme Sociedade dos Poetas Mortos, onde o professor tenta ensinar aos alunos a importância de aproveitar o momento, praticamente permeia todo o filme trazendo uma reflexão profunda sobre o tema.



Constituição em Sentido Sociológico - Fernand Lassale

Muito cobrado em provas e concursos, está a definição de Constituição em sentido sociológico cujo principal teórico foi Ferdinand Lassale.

Este vídeo vai falar sobre: Constituição, Somatório de Forças de Poder, Lassale, Constituição Real, Fatores Reais de Poder

A Constituição em sentido sociológico é aquela concebida como fato social e não propriamente como norma. Já em sentido jurídico, é aquela compreendida numa perspectiva estritamente formal. Por fim, a Constituição em sentido político é aquela considerada uma decisão política fundamental. Para Ferdinand Lassale, num sentido sociológico, a Constituição é a soma dos fatores reais de poder que predominam em uma comunidade. É a composição do que realmente o povo necessita e deseja, devendo haver relação entre o documento escrito e as forças determinantes do poder para existir uma Constituição.

Carta Magna - Conteúdo e Pontos mais Importantes

Carta Magna - Conteúdo e Pontos mais Importantes

Entenda a importância da Magna Carta para a atualidade e como se desencadeou a sua assinatura. Reveja os pontos mais importantes e prepare-se para sua prova.



Magna Carta (em português "Grande Carta") é forma reduzida do título, em latim, da Magna Charta Libertatum, seu Concordiam inter regem Johannen at barones pro concessione libertatum ecclesiae et regni angliae (Grande Carta das liberdades, ou concórdia entre o rei João e os barões para a outorga das liberdades da Igreja e do rei Inglês), um documento de 1215 que limitou o poder dos monarcas da Inglaterra, especialmente o do rei João, que o assinou, impedindo assim o exercício do poder absoluto. Resultou de desentendimentos entre João, o Papa e os barões ingleses acerca das prerrogativas do soberano. Segundo os termos da Magna Carta, João deveria renunciar a certos direitos e respeitar determinados procedimentos legais, bem como reconhecer que a vontade do rei estaria sujeita à lei. Considera-se a Magna Carta o primeiro capítulo de um longo processo histórico que levaria ao surgimento do constitucionalismo.

Basicamente, a Magna Carta estabeleceu que o rei devia seguir a lei e não podia mais reinar como bem entendesse. A Magna Carta garantia certas liberdades políticas inglesas e continha disposições que tornavam a Igreja livre da ingerência da monarquia, reformavam o direito e a justiça e regulavam o comportamento dos funcionários reais.

Veja o texto da Carta Magna na integra:

Redigida em latim bárbaro, a Magda Carta Libertatum seu Concordiam inter regem Johannen at barones pro concessione libertatum ecclesiae et regni angliae (Carta magna das liberdades, ou Concórdia entre o Reti João e os Barões para a outorga das liberdades da Igreja e do rei inglês) foi a declaração solene que o rei João da Inglaterra, dito João Sem-Terra, assinou, em 15 de junho de 1215, perante o alto clero e os barões do reino. Outorgada por João sem Terra em 15 de Junho de 1215, e confirmada; seis vezes por Henrique III; três vezes por Eduardo I; catorze vezes por Eduardo III; seis vezes por Ricardo II; seis vezes por Henrique IV; uma vez por Henrique V, e uma vez por Henrique VI. Inglaterra.

João, pela graça de Deus rei da Inglaterra, senhor da Irlanda, duque da Normandia e da Aquitânia e conde de Anjou, aos arcebispos, bispos, abades, barões, juízes, couteiros, xerifes, prebostes, ministros, bailios e a todos os seus fiéis súditos.

Sabei que, sob a inspiração de Deus, para a salvação da nossa alma e das almas dos nossos antecessores e dos nossos herdeiros, para a honra de Deus e exaltação da Santa Igreja e para o bem do reino, e a conselho dos veneráveis padres Estevão, arcebispo de Cantuária, primaz de Inglaterra e cardeal da Santa Igreja Romana... e dos nobres senhores Guilherme Marshall, conde de Pembroke ..., oferecemos a Deus e confirmamos pela presente Carta, por nós e pelos nossos sucessores, para todo o sempre, o seguinte:

A Igreja de Inglaterra será livre e serão invioláveis todos os seus direitos e liberdades: e queremos que assim seja observado em tudo e, por isso, de novo asseguramos a liberdade de eleição, principal e indispensável liberdade da Igreja de Inglaterra, a qual já tínhamos reconhecido antes da desavença entre nós e os nossos barões [...].
Concedemos também a todos os homens livres do reino, por nós e por nossos herdeiros, para todo o sempre, todas as liberdades abaixo remuneradas, para serem gozadas e usufruídas por eles e seus herdeiros, para todo o sempre [...].
 
Não lançaremos taxas ou tributos sem o consentimento do conselho geral do reino (commue concilium regni), a não ser para resgate da nossa pessoa, para armar cavaleiro nosso filho mais velho e para celebrar, mas uma única vez, o casamento da nossa filha mais velha; e esses tributos não excederão limites razoáveis. De igual maneira se procederá quanto aos impostos da cidade de Londres, E a cidade de Londres conservará todas as suas antigas liberdades e usos próprios, tanto por terra como por água; e também as outras cidades e burgos, vilas e portos conservarão todas as suas liberdades e usos próprios. E, quando o conselho geral do reino tiver de reunir para se ocupar do lançamento dos impostos, exceto nos três casos indicados, e do lançamento de taxas, convocaremos por carta, individualmente, os arcebispos, abades, condes e os principais barões do reino; além disso, convocaremos para dia e lugar determinados, com a antecedência, pelo menos, de quarenta dias, por meio dos nossos xerifes e bailios, todas as outras pessoas que nos têm por suserano; e em todas as cartas de convocatória exporemos a causa da convocação; e proceder-se-á à deliberação do dia designado em conformidade com o conselho dos que não tenham comparecido todos os convocados.
 
Ninguém será obrigado a prestar algum serviço além do que for devido pelo seu feudo de cavaleiro ou pela sua terra livre.
 
A multa a pagar por um homem livre, pela prática de um pequeno delito, será proporcionada à gravidade do delito; e pela prática de um crime será proporcionada ao horror deste, sem, prejuízo do necessário à subsistência e posição do infrator (contenementum); a mesma regra valerá para as multas a aplicar a um comerciante e a um vilão, ressalvando-se para aquele a sua mercadoria e para este a sua lavoura; e, em todos os casos, as multas serão fixadas por um júri de vizinhos honestos.
Não serão aplicadas multas aos condes e barões senão pelos pares e de harmonia com a gravidade do delito.
 
Nenhuma cidade e nenhum homem livre serão obrigados a construir pontes e diques, salvo se isso constar de um uso antigo e de direito.
 
Os xerifes e bailios só poderão adquirir colheitas e quaisquer outras coisas mediante pagamento imediato, exceto se o vendedor voluntariamente oferecer crédito.
 
Nenhum xerife ou bailio poderá servir-se dos cavalos ou dos carros de algum homem livre sem o seu consentimento. Nem nós nem os nossos bailios nos apoderaremos das bolsas de alguém para serviço dos nossos castelos, contra a vontade do respectivo dono.

A ordem (Writ) de investigação da vida e dos membros será, para futuro, concedida gratuitamente e, em caso algum, negada.
 
Nenhum homem livre será detido ou sujeito à prisão, ou privado dos seus bens, ou colocado fora da lei, ou exilado, ou de qualquer modo molestado, e nós não procederemos nem mandaremos proceder contra ele senão mediante um julgamento regular pelos seus pares ou de harmonia com a lei do país.
Não venderemos, nem recusaremos, nem protelaremos o direito de qualquer pessoa a obter justiça.
Os mercadores terão plena liberdade para sair e entrar em Inglaterra, e para nela residir e a percorrer tanto por terra como por mar, comparando e vendendo quaisquer coisas, de acordo com os costumes antigos e consagrados, e sem terem de pagar tributos injustos, exceto em tempo de guerra ou quando pertencerem a alguma nação em guerra contra nós. E, se no começo da guerra, houver mercadores no nosso país, eles ficarão presos, embora sem dano para os seus corpos e os seus bens, até ser conhecida por nós ou pelas nossas autoridades judiciais, como são tratados os nossos mercadores na nação em guerra conosco; e, se os nossos não correrem perigo, também os outros não correrão perigo.
Daqui para diante será lícito a qualquer pessoa sair do reino e a ele voltar, em paz e segurança, por terra e por mar, sem prejuízo do dever de fidelidade para conosco; excetuam-se as situações de tempo de guerra, em que tal direito poderá ser restringido, por um curto período, para o bem geral do reino, e ainda prisioneiros e criminosos, à face da lei do país, e pessoas de países em guerra conosco e mercadores, sendo estes tratados conforme acima prescrevemos.
 
Só serão nomeados juízes, oficiais de justiça, xerifes ou bailios os que conheçam a lei do reino e se disponham a observá-la fielmente.
 
Todos os direitos e liberdades, que concedemos e que reconhecemos enquanto for nosso o reino, serão igualmente reconhecidos por todos, clérigos e leigos, àqueles que deles dependerem.
Considerando que foi para honra de Deus e bem do reino e para melhor aplanar o dissídio surgido entre nós e os nossos barões que outorgamos todas as coisas acabadas de referir; e querendo torná-las sólidas e duradouras, concedemos e aceitamos, para sua garantia, que os barões elejam livremente um conselho de vinte e cinco barões do reino, incumbidos de defender e observar e mandar observar a paz e as liberdades por nós reconhecidas e confirmadas pela presente Carta; e se nós, a nossa justiça, os nossos bailios ou algum dos nossos oficiais, em qualquer circunstância, deixarmos de respeitar essas liberdades em relação a qualquer pessoa ou violarmos alguma destas cláusulas de paz e segurança, e da ofensa for dada notícia a quatro barões escolhidos de entre os vinte e cinco para de tais fatos conhecerem, estes apelarão para nós ou, se estivermos ausentes do reino, para a nossa justiça, apontando as razões de queixa, e à petição será dada satisfação sem demora; e se por nós ou pela nossa justiça, no caso de estarmos fora do reino, a petição não for satisfeita dentro de quarenta dias, a contar do tempo em que foi exposta a ofensa, os mesmos quatro barões apresentarão o pleito aos restantes barões; e os vinte e cinco barões, juntamente com a comunidade de todo o reino (comuna totiu terrae), poderão embargar-nos e incomodar-nos, apoderando-se de nossos castelos, terras e propriedades e utilizando quaisquer outros meios ao seu alcance, até ser atendida a sua pretensão, mas sem ofenderem a nossa pessoa e as pessoa da nossa rainha e dos nossos filhos, e, logo que tenha havido reparação, eles obedecer-nos-ão como antes. E qualquer pessoa neste reino poderá jurar obedecer às ordens dos vinte e cinco barões e juntar-se a eles para nos atacar; e nós damos pública e plena liberdade a quem quer que seja para assim agir, e não impediremos ninguém de fazer idêntico juramento.

Por que existe tanto sofrimento ?

Vivemos num mundo de muito sofrimento. Terremotos, guerras, fome, doenças, problemas econômicos,maldade.Muitas coisas não permitem que a humanidade possa ser feliz. Além disso, grande pate da humanidade está apartada de Deus, o que causa ainda mais dor e sofrimento. Jesus já tinha predito que o mundo ficaria assim numa profecia que está contida em Mateus capítulo 24 e o apóstolo Paulo falando sobre as características que estariam presentes nos últimos dias disse que a humanidade iria de mal a pior (2 Timóteo 3:1-5). 

Não devemos nos apavorar por causa de tudo isso. Então como devemos nos sentir ? Veja as palavras do Instrutor:"Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima." (Lucas 21:28) Levantar nossas cabeças, com coragem para seguir em frente e com a esperança de que a libertação de todas essas coisas está se aproximando! 

Esta é a promessa de Deus para aqueles que acreditam. Por isso tenha fé que um dia um mundo melhor existirá. (Veja na Bíblia em Apocalipse 21:3,4) Ao invés de se desanimar por causa das condições atuais do mundo tenha fé, esperança de que no final tudo irá ficar bem, isso vai te ajudar a enfrentar os desafios desses tempos com mais confiança e como disse Jesus, de cabeça erguida.

------

Imagem de ThePixelman por Pixabay 

Fontes do Direito Constitucional - Revisão

 Veja neste vídeo o que são:

Fontes do Direito Constitucional - Revisão




Este vídeo vai falar sobre:
#Jurisprudência
#Teoria Geral do Direito.
#Fontes do direito

O que é direito constitucional? Direito constitucional é o ramo do direito público dedicado a estudar as normas constitucionais, interpretando as normas de organização dos poderes e dos direitos fundamentais. Resulta da formulação das Constituições dos Estados-nações.

Quais são as principais fontes do direito constitucional? A principal fonte do Direito Constitucional é, sem qualquer dúvida, a Constituição, que é a “lei fundamental e suprema” de um Estado. É a partir dela que deve ser interpretado todo o ordenamento jurídico. As fontes imediatas são a Constituição e, para alguns autores, também costumes. As fontes mediatas são a jurisprudência e a doutrina. Para que serve direito constitucional? O Direito Constitucional é um ramo do Direito Público responsável por analisar, interpretar e garantir o cumprimento da Constituição de um país, ou seja, as normas que regulam e delimitam o poder do Estado e garantem o cumprimento dos direitos considerados fundamentais. Como aprender direito constitucional? Veja algumas fontes de material: 1-A Constituição Federal. 2-Livros de apoio. 3-Tente visualizar as leis e normas na prática, faça mapas mentais. 4-Tenha um dicionário jurídico em mãos. 5-Dê uma olhada nos concursos antigos. O que deve ser estudado no direito constitucional para concursos? Para te ajudar a se preparar para os concursos, separamos alguns dos temas mais comuns nas provas. Veja: Organização do Estado: artigos 18 a 33 da Constituição, o assunto trata da aplicação do princípio federativo e das competências administrativas e legislativas de União, Estados, Municípios e Distrito Federal. Direitos e Garantias Fundamentais: o artigo 5º aborda os direitos formais previstos na Constituição e inerentes à pessoa humana, ganhando relevância principalmente na questão da defesa da dignidade humana.

Administração Pública: engloba a organização das administrações públicas direta e indireta e contém as diretrizes para a administração no âmbito de servidores, princípios, concursos e outros. Poderes e Processo Legislativo: trata dos diversos órgãos, funções e competências dos poderes legislativo, executivo e judiciário.
Para que serve o curso de direito constitucional? O Direito Constitucional é um ramo do Direito Público responsável por analisar, interpretar e garantir o cumprimento da Constituição de um país, ou seja, as normas que regulam e delimitam o poder do Estado e garantem o cumprimento dos direitos considerados fundamentais.

O que é Direito Constitucional - Notas de Aula

 Um breve resumo sobre direito constitucional baseado em notas de aula da matéria assistida em 07 de maio de 2018.



Direito constitucional é o ramo do direito público interno dedicado à análise e interpretação das normas constitucionais. Na perspectiva contemporânea, tais normas são compreendidas como o ápice da pirâmide normativa de uma ordem jurídica, consideradas leis supremas de um Estado soberano e têm por função regulamentar e delimitar o poder estatal, além de garantir os direitos considerados fundamentais. O direito constitucional aborda ainda as normas de organização e funcionamento do Estado, do ponto de vista de sua constituição política comercial, bem como assegura garantias e direitos aos indivíduos.

Como faço para comprovar que trabalhei ?

 

Como faço para comprovar que trabalhei ?


Veja neste vídeo quais são os documentos que você pode apresentar ao INSS para comprovar que trabalhou numa determinada empresa, ainda que esta empresa tenha fechado. Veja neste vídeo que são vários documentos que são aceitos pelo INSS e não apenas a Carteira de Trabalho. Estas informações podem ajudá-lo caso tenha perdido sua Carteira de Trabalho e agora está tendo dificuldade para se aposentar.



Este vídeo pode ser de interesse para pessoas que perderam seus documentos e não estão conseguindo se aposentar porque o INSS não está reconhecendo seu tempo trabalhado.

Supremacia da Constituição - Direito Constitucional

 

Supremacia da Constituição - Direito Constitucional


Revisão sobre Supremacia da Constituição, matéria muitas vezes cobrada em concursos e provas de direito.



A Constituição se revela suprema, sendo o fundamento de validade de todas as demais normas. Por força dessa supremacia, nenhuma lei ou ato normativo poderá subsistir validamente se estiver em desconformidade com a Constituição.  A Constituição é o instrumento seguro para a manutenção do Estado de Direito. Daí este significar a submissão de todos os indivíduos e dos próprios órgãos do Estado ao Direito, à lei.

A Constituição surge como a lei fundamental do Estado, mas não só isso, ela cria também mecanismos capazes de garantir que esta figure em um posicionamento hierarquicamente superior as demais leis. 

Górgias

 Resumo sobre a obra Górgias, de Platão

 

Este vídeo trata da obra Górgias, de Platão, de muito interesse para as áreas de Filosofia, Políticas, Direito, Economia e Sociologia.

Quando Górgias foi escrito por Platão, Atenas vivia uma profunda crise económica e política. Após uma longa guerra contra Esparta (431-404), Atenas perde a guerra e o poder que tinha entre os gregos. O regime Democrático é substituído por uma Tirania (404-403) por imposição de Esparta. A Democracia que é restaurada, em 403, está mais frágil que nunca. Os recursos econômicos dos atenienses são agora bastante mais escassos, a custo a cidade procura recuperar a sua prosperidade econômica. A antiga aristocracia culpa os oradores e os democratas desta perda do poder e exige um governo forte. No início do século IV a.C. devido ao elevado absentismo dos cidadãos nas sessões da Assembleia foi decidido remunerá-los sempre que o fizessem.

A Assembleia, dirá Aristóteles, torna-se rapidamente num local de ociosos e cidadãos empobrecidos que dessa forma procuram adquirir algum sustento. O exército passa a ser constituído por mercenários afastando-se dos cidadãos. As sucessivas guerras empobrecem ainda mais a vida dos atenienses. A Democracia continua a resistir, mas a tendência é para a adoção de regimes fortes (tirânicos). No final do século IV a.C., Atenas deixa de ser Independente e a Democracia é substituída definitivamente por uma Oligarquia.

Se quiser ler a obra completa acesse este link: Livro Górgias para Download