Perigo na cozinha: cuidado com alimentos ultra-processados

Em um determinado momento da minha vida quando começaram a aparecer vários problemas de saúde eu tive que parar e reavaliar como estava levando minha vida. Na verdade, esse foi o conselho do meu médico que me alertou quanto aos resultados nada bons do meu último exame para check up. Ele me alertou inclusive que se eu não alterasse o meu estilo de vida, o que incluia alimentação e fazer exercícios, provavelmente teria vários problemas de saúde.

Foi ai que resolvi parar e reavaliar meus hábitos de alimentação. E pesquisando sobre isso na internet vi muita coisa que me ajudou a querer pesquisar ainda mais sobre o assunto. Havia certos conceitos que eu nunca havia ouvido falar na minha vida. Um destes conceitos que vi em uma daquelas reportagens alarmantes com letras garrafais era sobre alimentos ultraprocessados. “Mas que diacho é isso?” pensei assim que vi a matéria. Bem, para simplificar a conversa e ir direto ao ponto, tem a ver com uma forma de classificação que é usada para se referir aos alimentos dependendo do grau de transformação que sofreram e para isto há quatro classes em que os alimentos podem se encaixar: in natura, ingredientes culinários, processados e ultraprocessados.

Os alimentos in natura são aqueles que estão em seu estado natural, como são extraídos na natureza com manipulação mínima, não receberam nenhum tipo de aditivo e nem de longe passaram por qualquer transformação que lhes alterasse o seu estado. Alguns exemplos de alimentos in natura são as frutas, cereais, legumes, leite e assim por diante.

Os alimentos que se enquadram como ingredientes culinários sofreram algum tipo de ação humana para que pudessem chegar até nossas cozinhas, como é o caso do sal, do óleo vegetal, açúcar e alguns tipos de gordura animal. Embora tenham passado por algum tipo de processo de produção, tratam-se de processos considerados simples como moagem, prensagem, secagem e assim por diante. É o caso também de alimentos que foram extraídos de alimentos in natura como é o caso do fubá, farinha da mandioca, etc desde que não tenham recebido aditivos.

Os alimentos processados são aqueles que para serem feitos podem ter sido usado como matéria-prima alimentos in natura ou ingrdientes culinários só que passam por algum tipo de processo que adiciona algo a mais como o sal, o açúcar ou outras substâncias de uso culinário para aumentar o tempo de duração. Então são alimentos que recebem algum aditivo (natural ou químico) que lhes modifica o sabor, que altera sua consistência ou mesmo que lhes aumente o tempo de duração (com acréscimo de conservantes, por exemplo). Se encaixam nestes alimentos pães, conservas, alguns tipos de carne, etc. Então são alimentos cujo principal elemento são derivados de alimentos in natura ou ingredientes culinários e que combinados ou isoladamente receberam algum tipo de transformação que lhes modificou o sabor, a textura, a durabilidade, etc mas sem acrescentar nada mais além dos itens citados anteriormente.

E por fim temos os alimentos ultraprocessados. São alimentos que podem ser criados a partir das três classes anteriores mas com a diferença de que recebem muitos tipos de aditivos que usualmente não se classificam nas classes anteriores e que não poderiam ser usados como alimentos isoladamente por se tratarem de substâncias fabricadas em laboratório ou produtos químicos que não podem ser usados como alimentos se tomados de forma isolada. Geralmente os alimentos deste grupo possuem essências artificiais, xaropes produzidos na indústria usando processos químicos, derivados de petróleo como vários tipos de hidrocarbonetos, um monte de elementos que você não compra na feira livre que são produzidos por indústrias químicas.

Muitos estudiosos não consideram os alimentos desta última classe como alimentos verdadeiros devido ao seu baixo teor nutricional e o excesso de substâncias químicas que podem causar mal. Se encaixam nesta categoria salsichas, bolachas, vários tipos de cereais matinais, vários tipos de bebida láctea, refrigerantes e por ai vai. De acordo com vários especialistas você deveria ficar longe de alimentos dessa classe se quiser ter uma boa saúde. Quanto aos alimentos processados o ideal é que você diminua a ingestão desse tipo de alimento no seu cardápio. O ideal para se alimentar de acordo com especialistas são os alimentos in natura e os ingredientes culinários. Quanto mais desses dois tipos de alimentos você tiver no seu cardápio, é claro, de forma balanceada e equilibrada, mais provavelmente estará consumindo melhor alimento para você e sua família.

Eu modifiquei o meu cardápio e já se fazem 19 meses e o resultado é que melhoraram meus indicadores de triglicérides, glicose, meu peso, minha disposição física e mental. O que posso dizer ? Não acredito que os especialistas estão errados, eu sou apenas um blogueiro compartilhando minhas pesquisas, e atesto que acredito que há evidências de que podem estar corretas as suas descobertas. Da próxima vez que for ao mercado, antes de comprar, dê uma olhadinha na embalagem e veja a composição do que está comprando. Aliás, você provavelmente vai se assustar quando começar a reparar que muito daquilo que vendem como saudável, inclusive para crianças, deveria ficar muito longe da sua mesa e da sua despensa se quiser ter saúde de verdade. Faça o teste e depois compartilha aqui.

Banho de Floresta

árvores numa floresta

Recentemente saíram algumas publicações falando sobre uma nova forma de tratamento ou de prevenção a doenças chamada banho de floresta. O banho de floresta é uma espécie de terapia florestal que consiste basicamente em ir para uma área de floresta ou mesmo para um parque e passar algum tempo em contato com a natureza. Essa técnica é muito comum na medicina preventiva e ela tem trazido bons efeitos para aquelas pessoas que aderem a ela.

Mas como funciona isso? Você não irá se banhar em um rio ou banheira numa floresta, essa não é a ideia, se bem que uma excelente ideia. A ideia é passar algum tempo imerso na natureza. Inicialmente você terá de deslocar-se até uma floresta ou área verde e lá deverá se acalmar, tentar prestar atenção apenas no ambiente natural, se concentrando também na sua respiração, caminhando lentamente para poder apreciar tudo o que está à sua volta. O importante nesse ponto é começar a perceber tudo que esta à sua volta, as folhas caídas ao chão, os troncos de árvores, os animais que porventura estejam no local, prestar atenção às nuance de sombra e claro, tentar sentir os diferentes cheiros que estão presentes na floresta.

Quanto tempo será necessário? Recomenda-se pelo menos duas horas semanais mas se você não puder ficar tanto tempo de uma única vez poderá fazer breves caminhadas alguns minutos em dias alternados ou em vários dias da semana. A ideia é que gaste algum tempo na natureza.

Que benefícios poderá ter de gastar algum tempo na floresta? Já é sabido pelos praticantes dessa terapia que o simples contato com o cheiro da floresta é capaz de aliviar o estresse. Não é a toa que muitas pessoas quando resolvem tirar férias preferem ambientes onde haja mata, paisagens verdes, e outras regiões onde podem estar em contato com a natureza. Alguns preferem estar em contato com o mar.Outros gostam de ir até uma cachoeira, parque, jardim botânico, fazenda.No caso das florestas, de acordo com uma pesquisa realizada no Japão, foi constatado que os cheiros das plantas acaba ajudando a relaxar de uma forma natural.Inclusive tem-se tentado reproduzir esses cheiros dentro de casa ou em locais de trabalho para relaxar.Por isso que muitas pessoas usam aquela expressão famosa “respirar ar puro” quando estão em contato com a natureza, pois intuitivamente percebem que melhoram seu bem-estar desta forma.

Outro benefício relatado pelos cientistas é que esse mergulho na floresta ajuda nosso corpo a se tornar mais resistente. A natureza completa é um estímulo aos sentidos: visual, auditivo, olfativo, etc. Sem falar o incontável número de seres vivos que habitam o ambiente natural como bactérias e todo tipo de micróbios que estão ali presentes.Muitos desses são importantes para fortalecer o sistema de defesa do nosso organismo, o sistema imunológico. Há inclusive quem defenda que em ambientes assim deveríamos andar descalços para ter o contato direto com a terra, deveríamos tocar com as mãos os troncos de árvores ou mesmo pegar as folhas, além de inspirar profundamente.

Uma pesquisa feita no Japão constatou que o contato com ambientes florestais ajudou a reduzir em 13% a concentração de cortisol no sangue, 2% a pressão sanguínea e em 18% a atividade do sistema simpático. No entanto estas pesquisas ainda são novas e há muito o que pesquisar ainda.

O que sabemos até agora? Os cientistas descobriram uma correlação entre o bem-estar e o contato com a natureza. Tanto que em alguns países (como por exemplo, o Japão) esse tipo de contato intensivo com a natureza tem sido estimulado. Ainda não compreendemos plenamente como essa interação ocorre e como esses benefícios são percebidos pelo nosso organismo. Entretanto já foi descoberto que existem benefícios que são derivados desse contato com a natureza.

Então fica a minha recomendação para que você tome tempo para caminhar ao ar livre, sentar-se na grama, talvez debaixo de uma árvore, e gastar pelo menos algum tempo toda semana ou se possível várias vezes durante a semana para estar em contato com a natureza. Conforme já foi dito não sabemos muitas coisas até agora porque os estudos nesta área estão apenas começando, mas já sabemos que isso pode ajudar a melhorar seu sistema imunológico, diminuir o nível de cortisol no sangue, diminuir sua pressão sanguínea, e ter uma sensação de relaxamento que lhe trará mais paz de espírito para lidar com o estresse do dia dia.

Moringa Oleífera

Essa planta possui muitos nutrientes em quantidade grande, maior do que qualquer outra planta conhecida. Só para ter uma ideia das qualidades dessa planta, veja o vídeo abaixo:

A moringa oleifera é um daqueles super-alimentos que tem ajudado a combater a desnutrição no mundo.

Ela é rica em nutrientes que são necessários ao corpo humano.

No entanto, não deve ser consumida em excesso.

É de fácil cultivo e suas sementes podem ser compradas pela internet em vários sites. Embora a árvore chegue a atingir de 5 a 10 metros, recomendamos que ao cultivá-la em casa não a deixe crescer muito para facilitar a colheita das folhas e sementes.No vídeo recomendamos o corte dela ao atingir 1,80 metro de altura. Pode ser cultivada inclusive em vasos.

Super recomendado ter uma muda em casa.

Benefícios do chá de amora

Você sabia que as folhas da amora possuem 22 vezes mais cálcio do que o leite e podem ser utilizadas como chá ?

Veja a seguir os principais benefícios do chá de amora:

Inibição da elevação súbita da taxa glicêmica. A folha de amora contém 1-desoxinojirimicina, uma substância parecida com a glicose, que ao chegar no intestino, acredita-se que ajuda a inibir a decomposição de açucar e desta forma evitar a absorção de açucar pelo intestino delgado. O resultado é a inibição súbita da taxa glicêmica e a prevenção da obesidade.

Ação Antioxidante – as folhas de amora combatem a atuação de radicais livres causadores de doenças como o câncer e que promovem o envelhecimento.

Alívia as dores das cólicas menstruais e o desconforto da TPM.

A bebida pode ser utilizada para aliviar dores de cabeça, alterações na líbido, depressão e doença nos rins.

Tem sido relatado que o flavonoide contido na folha da amora ajuda a acelerar a liberação de insulina prevenindo o diabetes.

O chá possui propriedades calmantes e ajuda a melhorar a qualidade do sono, combatendo problemas como a insônia.

Os taninos contidos no chá ajudam a aliviar a diarréia.

Fazer gargarejos com o chá podem ajudar a tratar pequenas inflamações nas membranas mucosas da boca e garganta.

Algumas experiências relatam que a folha da amora ajuda a melhorar a taxa de colesterol melhorando a metabolização de lípidios e prevenindo a arteriosclerose.

O cálcio e o magnésio contido no chá ajuda na reposição do perda de cálcio ocasionada pela idade e ajuda a combater a osteoporose.

O chá aliado a uma dieta saudável ajuda a emagrecer até 8 quilos em um mês.

Experiências realizadas com ratos demonstraram que os que receberam folhas de amoreira eliminaram maior quantidade de gordura nas fezes, inibindo o acúmulo de gordura nas vísceras e evitando a obesidade.

Contraindicações do Chá de Amora
A bebida não deve ser consumida por pessoas que sofrem com problemas no figado e mulheres grávidas. Se você sofre de algum problema de saúde crônico verifique antes com seu médico ou nutricionista se no seu caso é recomendado o uso do chá de amora.

O chá de amora se for consumido em grande quantidade pode causar perturbação estomacal, náusea e vômito, e atrapalhar na absorção de cálcio e ferro no organismo, ou seja, o chá auxilia a manter a saúde mas não se deve abusar dele assim como não se deve abusar de qualquer outro tipo de alimento ou bebida. Para amenizar o problema, adicione limão à bebida pois a vitamina C ajuda na absorção de ferro. Tome de 3 a 5 copos de chá por dia, além de outras bebidas como água e sucos.